O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Invasores

Na última quinta-feira, 5, a associação de proteção aos animais Faros D’Ajuda comunicou em sua página na rede social Facebook que estava rescindindo o convênio que mantém com a Prefeitura para cuidar do Canil Municipal.

A notícia pegou muitos de surpresa, haja vista que o trabalho da entidade é reconhecidamente positivo.

O teor da nota emitida pela Faros sinaliza que o principal fator que desencadeou a decisão de seus diretores em rescindir o convênio não foi a parte financeira que, apesar de não estar equilibrada – já que o repasse mensal da Prefeitura, de R$ 12 mil, não cobria todas as despesas – era compensada com eventos beneficentes e campanhas que voluntários se engajavam em fazer.

Ao que tudo indica, a gota d’água para o rompimento do convênio foi a forma de tratamento que membros da Administração dispensaram aos representantes da Faros, os quais afirmam terem sido chamados de invasores do Canil Municipal.

Ora, se pesquisarmos no Dicionário Houaiss, veremos alguns significados para o termo “invasor”: que ou quem penetra, especialmente por meio de força, de violência, espaços, propriedades, terras etc. particulares; que ou o que desconsidera domínios alheios, especialmente a vida particular, pessoal de alguém.

Assim, a Faros não se enquadra de forma alguma no termo mencionado. A entidade jamais usou de força ou violência para ocupar o Canil. Usou, sim, de muita boa vontade e força para cuidar de todos os animais que passaram pelo local durante os últimos dez anos. Não pode ser chamada de invasora, em vez disso, é cuidadora de um espaço público que a Prefeitura até então não teve a iniciativa, capacidade ou vontade de tocar sozinha.

O problema é que este é mais um episódio em que a atual Administração mete os pés pelas mãos no quesito tratamento com o público. Parece que o atual chefe do Executivo e sua equipe não têm muita habilidade para lidar com as pessoas, mesmo quando elas não são opositoras, estão do mesmo lado, colaborando para o bom andamento de setores públicos, nesse caso, o Canil Municipal.

Não nos resta outra coisa a não ser lamentar e desejar que sejam designadas pessoas que gostem dos animais para trabalhar no Canil a partir do momento em que a responsabilidade dele passar para a Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Ironia do destino, a Faros, que sempre acolheu os animais vítimas de maus-tratos, conclui o convênio com o município sendo maltratada pela Administração. Que final infeliz!

Uma boa semana a todos!

 

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player