O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Manifestante da Tribuna Livre fala sobre os moradores de rua

Na terça-feira, 3, realizou-se na Câmara Municipal a 18ª Sessão Ordinária, a qual recebeu a manifestante Andreia D. Alves na Tribuna Livre. Na oportunidade, a assistente social e supervisora técnica na Semads (Secretaria Municipal de Ação e Desenvolvimento Social) discorreu sobre pessoas em situação de rua no município de Bragança Paulista, sendo apresentada pelo vereador Valdo Rodrigues.

De acordo com Andreia, a Semads desenvolve um trabalho de identificação de adultos moradores de rua, por meio de uma busca sistemática, realizada três vezes por semana, sendo segunda-feira pela manhã, terça-feira à tarde e nas noites de quinta-feira. Com a chegada da temporada fria do ano, em que os moradores ficam mais suscetíveis aos problemas causados pelas intempéries do clima, as buscas e abordagens serão intensificadas, adiantou.

Os dados da secretaria, que são declaratórios, ou seja, são aqueles declarados pelos próprios moradores de rua, mostram que, no período entre abril e dezembro de 2013, foram identificados 202 moradores de rua na cidade.

Já no ano de 2014, foram reconhecidos 118 moradores durante os quatro primeiros meses, sendo 100 homens e 18 mulheres, e realizados 294 atendimentos. Os números divergem em razão de um mesmo indivíduo receber atendimento mais de uma vez, explicou a supervisora técnica da Semads.

Os motivos principais que levam as pessoas às ruas são: perda de moradia, desemprego, problemas familiares, consumo de álcool e drogas, além da opção própria.

A assistente social explicou que um a cada quatro desses moradores se recusam a ir para o albergue e usufruir dos serviços de alimentação, higiene pessoal e pernoite ofertados, por conta das regras internas existentes. No local, não é permitido o consumo de álcool, a união de casais no mesmo quarto, uma vez que homens e mulheres dormem em cômodos separados, e a saída para fumar após as 22h. Existe também a possibilidade de a pessoa se alimentar e realizar higiene pessoal no espaço, mas não pernoitar.

Na recusa em ir para o abrigo, ainda são disponibilizadas roupas e cobertores aos indivíduos.

Sobre o Centro POP, Andreia explanou que o objetivo é tirar os moradores da rua durante o dia, absorvendo essa população por meio de atividades socioeducativas, que serão realizadas na Avenida Doutor José Adriano Marrey Júnior, n° 987.

Indagada sobre a vinda dos moradores de rua para Bragança Paulista, a manifestante explicou que a proximidade do município com a Rodovia Fernão Dias é um fator muito importante, pois os indivíduos sabem da existência do albergue e chegam facilmente à cidade. Ela continuou exprimindo que, no caso oposto, as cidades que mais recebem moradores de rua de Bragança são Jundiaí e Atibaia.

Após receber os cumprimentos, Andreia concluiu dizendo que os munícipes devem entrar em contato com a Semads ao identificar um morador de rua, para que ele receba os devidos cuidados.

Com a palavra, o vereador Valdo Rodrigues agradeceu a presença de Andreia e falou que é preciso existir políticas públicas para cada tipo de problema, além disso, é necessário que os trabalhadores da área de assistência social e a população saibam das informações retratadas. Ele considerou ainda que a sociedade está saindo “do amadorismo, da politicagem e do assistencialismo” na questão do atendimento aos moradores de rua, o que é muito positivo.

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player