O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Manifestante da Tribuna fala sobre projeto social realizado com moradores de rua

A 17ª Sessão Ordinária iniciou-se às 16h21de terça-feira, 27, e contou com a presença do pastor da Igreja Missionária Maranata do Brasil, Luiz Antônio Ramos de Oliveira, na Tribuna Livre. Apresentado pela vereadora Gislene Cristiane Bueno, ele discorreu sobre a situação dos moradores de rua de Bragança Paulista.

Luiz Antônio iniciou sua fala agradecendo a oportunidade e esclarecendo que a situação dos moradores de rua é um assunto crônico, que apesar de ser abordado e tratado há décadas ainda não foi solucionado.

“Os moradores de rua estão morrendo por diversas situações e por não terem onde ficar. Alguns deles preferem dormir na rua do que ir pro albergue”, disse.

O pastor relatou que pessoas de outras religiões, que não o protestantismo, estão se unindo pela causa comum. Hoje, são realizados trabalhos com o bispo da Diocese de Bragança e com membros da umbanda e candomblé, que se espelharam nas ações feitas pela Igreja Maranata junto aos cidadãos em situação de rua.

O manifestante também se lembrou de um caso de perseguição, ocorrido na gestão anterior. Segundo ele, os membros da Igreja Maranata foram perseguidos por recolherem o restante das comidas dos albergues para distribuir aos moradores de rua e sofreram uma ação administrativa de desvio de comida. Com esse empecilho, ficaram desanimados e pensaram em desistir, mas não o fizeram.

O trabalho social realizado há 30 anos pela Maranata possui uma equipe de serviço composta por 11 voluntários e é mantido pelos próprios membros da igreja, por meio de ofertas. Eles oferecem mil refeições ao mês para os moradores de rua. Luiz relatou que a distribuição da sopa não acontece diariamente devido à falta de recursos financeiros.

O vereador Valdo Rodrigues parabenizou e orientou o manifestante dizendo que ele deveria instituir uma organização para que o trabalho social possa ser subsidiado pelo governo.

Por sua vez, Juzemildo Albino da Silva disse que existe uma dificuldade de conter o crescimento da população de rua e relatou que existem automóveis que trazem pessoas de outras cidades e as despejam em Bragança Paulista como se fossem lixo.

Já o edil José Gabriel Cintra Gonçalves falou que fica angustiado diante dessa situação, pois muitas reclamações, sem sucesso, já foram feitas pela Câmara Municipal. Para ele, a Prefeitura deve realizar junto ao pastor um trabalho eficaz com os moradores de rua, unindo o útil ao agradável.

Com a palavra, Gislene agradeceu a presença do manifestante e lembrou que está se iniciando o período de noites frias, por isso, a vereadora reforçou a ideia de que o trabalho realizado pela Igreja Maranata deve ser reconhecido e complementado pelo poder público.

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player