O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

“Sem-vergonhice lascada” motiva casos de abuso sexual contra menores

A afirmação foi da coordenadora do Conselho Tutelar de Bragança Paulista, que disse ainda que a sociedade está falida e não sabe disso

 

Na tarde de terça-feira, 20, realizou-se na Câmara Municipal de Bragança Paulista a 16ª Sessão Ordinária. A manifestante da Tribuna Livre, Marisa Ferreira de Lima, coordenadora do Conselho Tutelar, fez uso da palavra para explanar sobre a atuação do órgão na garantia dos direitos da criança e do adolescente.

Marisa relatou que o Conselho Tutelar é composto por cinco conselheiros que, juntos, tomam as decisões e possuem autonomia de serviço. Segundo ela, de acordo com a quantidade populacional em Bragança, a cidade já comporta mais um Conselho Tutelar. “Apenas cinco pessoas não estão dando conta”, disse.

Devido ao trabalho árduo que é realizado todos os dias, a fim de garantir a proteção integral das crianças e adolescentes, a conselheira desabafou que está desgastada física e emocionalmente, e inclusive, sendo protegida pela Lei Maria da Penha após ter sofrido ameaça de morte. “Eu estou cansada e com medo de trabalhar”, afirmou. Para ela, é necessário mais apoio de todas as esferas de poder e da população no trabalho de enfrentamento aos problemas. Marisa apontou ainda que as pessoas não devem ver o Conselho Tutelar como um “bicho papão”, mas como um órgão a serviço da reestruturação familiar.

Dados divulgados pela conselheira revelam que a cada dois dias e meio uma criança ou adolescente é abusado sexualmente em Bragança Paulista. Marisa informou que em apenas 30% dos casos o abusador está sob efeito de álcool ou drogas e que, na maioria das vezes, está dentro de casa e possui acessibilidade ao menor. “O problema é uma sem-vergonhice lascada”, opinou a manifestante, acrescentando que a sociedade está falida, doente, e que ela ainda não se deu conta disso.

O vereador Marcus Valle indagou sobre como a Câmara pode influir e ajudar nesse trabalho. Em resposta, Marisa disse que muitos não entendem a atuação do conselho, por isso, é importante que os vereadores ajudem a difundir informações sobre o trabalho do órgão.

Marisa aproveitou a oportunidade para pedir aos vereadores que apoiem a concessão de vale-alimentação aos conselheiros, benefício já recebido pelos demais servidores.

Por fim, a conselheira disse que, em se tratando de infraestrutura, possui tudo o que precisa para o trabalho, mas não tem a compreensão da população nessa batalha de luta pelos direitos da criança e do adolescente.

Os vereadores Miguel Lopes, Jorge Luís Martin, Juzemildo Albino da Silva, Gislene Cristiane Bueno, Paulo Mário Arruda de Vasconcellos e Fabiana Alessandri cumprimentaram e parabenizaram Marisa pelo trabalho realizado há anos no Conselho Tutelar.

O edil Valdo Rodrigues, que inscreveu a manifestante, disse que ela foi convidada para provocar reflexão frente aos problemas que a nação possui e que envolvem crianças e adolescentes. Valdo parabenizou Marisa pela conscientização realizada no sábado, 17, na Praça Raul Leme, e concluiu dizendo que, após a efetivação do Plano Municipal do Direito da Criança e do Adolescente, muitas ações serão realizadas em busca de melhorias significativas para o público infantojuvenil na cidade.

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player