O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

DOIS MOLEQUES PREPOTENTES

Na última sessão da Câmara, terça passada, dois representantes da organização social ABBC, que deve assumir a gerência de boa parte da nossa Saúde Pública, estiveram na tribuna para se defenderem das acusações que sofreram e “dar satisfações” à população bragantina. “Não passam de dois moleques prepotentes”, foram as palavras mais interessantes que li sobre eles no Facebook depois da sessão.

 

FAZIA TEMPO QUE NÃO IA À CÂMARA

O novo horário da sessão no meio da tarde tem me impossibilitado de acompanhar os trabalhos. Na última semana, porém, tive uma folguinha e resolvi dar uma conferida em como andavam as coisas por lá. Devo dizer que foi uma tarde de “vergonhas alheias”.

 

VERGONHA ALHEIA I

Precisamos lembrar que na penúltima sessão, foram levados à Câmara pela assistente social Tânia Clemente diversos “problemas” referentes à ABBC, entre eles públicos e notórios processos de uso indevido do dinheiro público quando atuavam em Ribeirão Pires. A manifestante nada mais fez que levantar informações que qualquer que “der um Google” tem acesso. Pois é... só que um dos “meninos” resolveu processar Tânia por conta das “falsas acusações”. Foi nessa hora que senti a primeira vergonha alheia da tarde.

 

VERGONHA ALHEIA II

Eu ficava pensando: “como é que esses caras têm coragem de vir aqui, ficar falando que são trabalhadores honestos e ainda por cima que vão processar uma pessoa como a Tânia?”. Na certa, jovens que são, desconhecem a reputação, os anos de serviços prestados e o respeito que Tânia goza aqui na cidade. O problema é que eu não senti só vergonha deles. Se fosse só isso, tudo bem. Senti também vergonha dos nossos vereadores. Depois que os “rapazes” despejaram uma porção de argumentos para atestar a honestidade de suas pessoas físicas e jurídicas, o que se viu e ouviu foi o silêncio de quase todos os nossos nobres edis. Mário B. Silva, por exemplo, só faltou beijar os pés deles quando foi “agradecer” pelos esclarecimentos.

 

VERGONHA ALHEIA III

Fiquei também com muita vergonha do Padre Juzemildo, que foi quem apresentou os dois indivíduos na tribuna. Tenho muito respeito pela pessoa dele, mas confesso que vê-lo sentado ali no meio daqueles dois foi uma imagem emblemática da atual política do PT em Bragança. Também senti vergonha pelos amigos Quique, Marcus e Rita Valle, que quando não se calaram, tentaram defender o indefensável.

 

VERGONHA ALHEIA IV

Envergonharam-me também os vereadores da oposição, que perderam uma excelente oportunidade de “descer a lenha” em cima da terceirização da Saúde e nada fizeram.

 

QUEM FEZ ALGUMA COISA I

Seria injusto de minha parte se deixasse de citar os dois únicos vereadores que tiveram uma postura digna diante de tudo isso. Em dado momento, depois da explanação malufista de um dos associados presentes da ABBC, o vereador Paulo Mário perguntou: “Mas se a organização de vocês não tem fins lucrativos, o que estão fazendo em Bragança?”.

 

QUEM FEZ ALGUMA COISA II

Momentos depois, o vereador Miguel Lopes foi o único a expor sua indignação perante o processo contra Tânia. Ele chegou a dizer que “processar os outros é uma forma de calar as pessoas que não é bem vista em nossa cidade”. E já que “estavam chegando agora”, seria de bom tom retirar as acusações sobre uma pessoa que tem mais de vinte anos de serviços prestados à saúde de nossa cidade.

 

“MINIMALUF”

Um dos representantes presentes da ABBC se chama Édson Júnior, 33 anos de idade e, segundo ele, muito trabalho, muita experiência de vida. Ele chegou a dizer que abriu sua primeira empresa com apenas 20 anos e que não se importa em trabalhar 14, ou 15 horas por dia. Foi hilária a hora que ele chegou a citar o próprio avô numa tentativa de “agregar valor” ao seu discurso.

 

ENQUANTO ISSO O “MALUF MOR”...

Paulo Maluf foi condenado por improbidade administrativa devido ao superfaturamento de um túnel construído nos anos 90, o complexo viário Ayrton Senna. A sentença fala na perda de direitos políticos por cinco anos, mas como se trata de uma condenação em segunda instância, pela Lei da Ficha Limpa ele pode ficar oito anos sem poder disputar uma eleição. O advogado de Maluf disse que vai recorrer. Ah, vá? Talvez ele vá preso quando tiver uns 120 anos.

 

OVO E TOMATE NELES!

Diversas denúncias e investigações vêm agitando a Câmara Municipal do município de Rio Acima em Minas Gerais. Tramitam na Casa, por exemplo, dois processos de cassação, um contra o atual prefeito e outro contra um dos vereadores. Neste clima de tensão, ainda no início da última sessão, o público presente se revoltou e atirou ovos e tomates nos parlamentares. O tumulto gerado acabou por encerrar a sessão por ali mesmo, ainda na leitura da ata da sessão anterior. Se a moda pega...

 

DEVENDO UMA NOITE DE CAMAROTE

O assunto do momento é o Rei do Camarote, ou mais um imbecil promovido à celebridade instantânea pela revista Veja. Não sei se você chegou a ler a reportagem ou a ver o vídeo, nobre leitor, mas o negócio é difícil de engolir mesmo. Eu, por exemplo, estou até agora torcendo para que tudo não passe de uma brincadeira sem graça, ou golpe de marketing, mas já tem gente por aí divulgando fatos e factóides sobre o Rei da Futilidade, que gasta cerca de R$ 50 mil “na balada” e diz que celebridade “agrega valor ao camarote”. Li num blog, que tem links para comprovar a veracidade, que o empresário em questão está devendo cerca de R$ 55 mil em IPTU para a prefeitura de São Paulo. Nada que uma noite sem ir pra balada não resolva.

 

IPTU “PROGRESSIVO”

E já que a ordem do dia são as patacoadas das Câmaras Municipais, a Justiça concedeu uma liminar que barrou o aumento do IPTU em São Paulo, que havia sido aprovado em uma votação apertada na Casa de Leis paulistana. A belíssima “manobra” dos vereadores e do prefeito Haddad, faria o IPTU residencial subir 45,2% e o comercial 78,9% num reajuste acumulado para os próximos anos. É mole? E essa moda do PT? Já pensou se pega por aqui?

 

PRA FINALIZAR

“Calarei os maldizentes continuando a viver bem; eis o melhor uso que podemos fazer da maledicência.” (Platão)

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player