O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

COM SAÚDE NÃO SE BRINCA... NEM COM NOSSO DINHEIRO

A questão da Saúde Pública em nossa cidade está tomando uma dimensão que me assusta. E muito. Já imaginou se em todas as esferas que o Poder Público Municipal achar que não tem mais competência pra administrar for colocada uma Organização Social ou empresa qualquer pra administrar? Pra que uma Prefeitura, então? Só pra repassar o seu e o meu dinheiro pra terceiros?

 

JUSTIFICATIVAS SEMPRE EXISTIRÃO

Com um pouco de “juridiquês”, “economês” ou “politiquês” tudo pode ser justificado. É claro que o Governo Fernão e a Secretaria de Saúde têm “n” justificativas para a terceirização da Saúde de Bragança.       “Será mais barato para o município”; “a população terá mais atendimentos”; “a empresa terá mais facilidade em cobrir a falta dos médicos” e blá-blá-blá... Acontece que por trás de tudo isso está a pergunta: se o Município, Estado ou País não tem competência para administrar e prestar os serviços públicos que a população paga caro pra ter acesso (ao seu direito!), pra que Estado?

 

SUCATEAR PRA TERCEIRIZAR

A não ser que a “lógica” seja a mesma de sempre, desde os tempos das terceirizações do PSDB já citadas nesta coluna na semana passada: sucatear pra terceirizar. Dessa forma, todos os argumentos do tipo: “veja as estradas depois dos pedágios e concessões, que beleza!” farão sentido. Então é assim que vai ser? Só nos resta, portanto, aguardar o próximo ato? O que vai ser, terceirizar a Educação?

 

300 FUNCIONÁRIOS E VÁRIOS SEGREDOS

E os funcionários da Saúde que já atuam no município, mas não são concursados? Serão todos sumariamente demitidos? Os governistas vão dizer que a situação deles já é irregular e que isso não pode continuar. Ah... tá... isso não pode continuar... Seria essa a saída mais justa? E a “sangria desatada” do nosso dinheiro nos cargos comissionados, isso pode, Arnaldo? 

PARTIDO “DOS TRABALHADORES”

Como se não bastasse a demissão dos enfermeiros, técnicos, agentes, auxiliares e médicos, a Prefeitura ainda alega que não terá dinheiro para arcar com os encargos e indenizações pelas demissões. A recomendação é que os demitidos procurem seus direitos na Justiça! Como assim? Então é assim que o Partido dos Trabalhadores age com os trabalhadores?

 

“SOB FISCALIZAÇÃO FORTE”

Vamos supor que a organização social que venha tomar conta de nossa saúde atue sob uma fiscalização bastante rigorosa da Prefeitura. Neste caso, poderíamos ter algumas vantagens, como maior agilidade na contratação de serviços, manutenção, etc. Ainda assim, não concordo. Na minha opinião, não justifica a terceirização. Uma gestão realmente competente do Estado deveria dar conta do recado. Agora voltemos ao mundo real. Como você acha, realista leitor, que será a “qualidade” da fiscalização da Prefeitura e Câmara na prestação dos serviços de Saúde? Eles certamente ficarão “em cima”, com o mesmo empenho que fiscalizam a Embralixo, a N. S. de Fátima, a Sabesp... Entendeu?

 

ORGANIZAÇÃO SOCIAL AINDA FORA DA LEI

Em Ribeirão Pires, a empresa Associação Brasileira de Beneficência Comunitária (ABBC) se envolveu em escândalo pela primeira vez, em seu curto período de existência. O motivo? Uso indevido do dinheiro público. Até carro importado a empresa comprou com o dinheiro do contrato com a cidade! É nas mãos desses caras que o Governo Fernão tem a intenção de colocar R$ 68 milhões por ano da nossa grana.

 

ONDE ESTÁ A CÂMARA QUANDO A GENTE PRECISA DELA?

Foi só depois de muita pressão popular que a Câmara Municipal acabou optando por enviar um pedido para que o prefeito interrompesse o chamamento público. Eu me pergunto como os vereadores permitiram que a situação chegasse aonde chegou.  Não fosse a atuação de diversos ativistas, onde se destacam as manifestações da assistente social Tânia Clemente, a terceirização da Saúde bragantina teria passado batida pela nossa Casa de Leis.

 

A PREOCUPAÇÃO É COM A FOTO

É que lá na Câmara as preocupações são outras. Um assunto que ganhou grande destaque e ocupou as pautas de discussão foi quem deveria ter saído na foto ao lado do deputado. Sabe aquele clima de “eu sou o pai da criança”? Pois é. Assim não dá, né?

 

PRA FINALIZAR

“Aquilo que não puderes controlar, não ordenes.” (Sócrates)

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player