O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

ILUSTRE COLEGA DE CELA

O cara está preso e ainda é deputado? Isso pode, Arnaldo? Natan Donadon é o primeiro parlamentar presidiário do país. Viva! Isso me lembra a campanha eleitoral do Collor e do Lula, que tinha um candidato chamado Marronzinho, que estava preso. As vantagens de ter um nobre colega no presídio? O deputado levou um recado dos presos à Câmara: a comida é muito ruim. Agora falando sério, dos 405 deputados presentes na sessão da possível cassação do condenado, 131 votaram contra e 41 se abstiveram. Não podemos mais aceitar votação secreta em nenhuma esfera do Legislativo. Nem mesmo os amigos de Donadon estão assumindo que votaram em sua defesa. Fácil, né?

 

REPRESENTATIVIDADE PASSIVA OU ATIVA?

Tudo poderia ser muito melhor se os governos não fossem representantes meramente passivos de todos nós. Se os conselhos municipais, em todas as áreas, fossem realmente ouvidos e se das conferências municipais, regionais, estaduais e nacionais realmente saíssem propostas concretas, a partir de justas reivindicações dos cidadãos, teríamos evoluído muito mais como sociedade.

 

PRECISAMOS TER UM PLANO

Na verdade, não precisamos de um só, precisamos de vários. É como na vida, pra que as coisas melhorem, precisamos de planejamento. Quando o assunto é o Poder Público, o fato de uma cidade, ter um plano municipal pra cultura, um pra educação, outro pra saúde, outro pros resíduos sólidos etc, faz com que as políticas públicas deixem de ser coisa “de governo” e passem a ser realmente públicas. Um plano municipal que dure dez anos, por exemplo, deverá ser o norte pra mais de um governo e, possivelmente, pra mais de um grupo político.

 

COMO NUM PASSE DE MÁGICA

É claro que ter planos somente não basta. Os governantes não vão automática e bondosamente colocá-los em prática. Aí é que entram conselhos fortes e sociedade ativa. E você, participativo leitor, que participou de uma conferência municipal, certamente estará por dentro das propostas que dela emanaram. Isso o coloca como um potencial e feroz cobrador. Se as propostas e planos não estiverem sendo executados, cobrança neles! Simples assim.

 

EXEMPLOS DA CULTURA E RESÍDUOS SÓLIDOS

Estes são exemplos recentes de como a coisa pode funcionar. Acabamos de realizar as conferências municipais de cultura e resíduos sólidos. Aos governantes e agentes políticos, cabe colocar as propostas da população em prática. À população cabe a cobrança. Ficar no pé deles é o mínimo que podemos fazer.

 

DEVEM, NÃO NEGAM

A superoferta de crédito, a baixa dos juros e a queda de alguns impostos foram mais que um convite, foram quase uma intimação do governo para o povo ir às compras. E o povo foi. Agora como vamos fazer pra conter a onda de inadimplência que está afogando nossa economia num mar de carnês com 133 suaves prestações? Nem Deus sabe, tampouco a Dilma e o Mantega.

 

PÕE NA POUPANÇA

Depois de falarem pra gente gastar bastante, agora tudo que eles têm pra nos dizer é que por na poupança é uma ótima ideia. Sabe por quê? Porque se você colocar mil reais na poupança hoje, em um ano terá mil e sessenta reais. Incrível, não?

 

HAPPY HOUR E MERCADÃO

Curti a iniciativa da SMCT de manter o projeto Happy Hour Musical, que fez sucesso no Festival de Inverno. Toda última sexta do mês, todos teremos uma excelente oportunidade pra ocupar e vivenciar a nossa querida Praça. Já no Mercadão, os sábados também continuam tendo música ao vivo no início da tarde. Coisas assim nos incentivam a valorizar nossos espaços.

 

XÔ, ROTATÓRIAS

Essa é uma bola dentro do Governo Fernão. Já faz tempo que estamos precisando de estudos no nosso trânsito para identificar mudanças necessárias. Daqui a pouco, se ninguém fizer nada, vamos começar a demorar duas horas pra ir do Lavapés pro Taboão na hora do nosso rush. A retirada de algumas rotatórias na Avenida dos Imigrantes certamente trará maior fluidez ao tráfego.

 

PEQUENAS JAMANTAS, GRANDES NEGÓCIOS

Como na época do “milagre do petróleo”, quando todos achavam que ele nunca acabaria e sempre seria barato, as montadoras estão projetando carros cada vez maiores. E o pior: as pessoas estão comprando essas pequenas jamantas. Coisa mais comum é ver uma pickup ou SUV, com potência e tamanho pra carregar um elefante na carroceria subindo a Rua da Balança, levando uma loira de cinquenta quilos fazer compras na José Domingues, a “Oscar Freire bragantina”. Tirar rotatórias, fazer semáforos inteligentes, melhorar a qualidade do asfalto, são obrigações do estado, que de nada vão adiantar se os carros continuarem aumentando absurdamente. Eis aí mais uma bolha que vai estourar.

 

PRA FINALIZAR

“As pessoas tomam caminhos diferentes em busca da felicidade e da satisfação. O fato de que o caminho de alguém não coincida com o seu não quer dizer que vocês se perderam.” (H. Jackson Browne)

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player