O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

FÉRIAS... SÓ SÃO RUINS QUANDO ACABAM

Recarregar as baterias, renovar as energias, esvaziar a cabeça, descansar o esqueleto... Nada como as férias pra voltarmos com força total para o trabalho. E quando amamos o que fazemos, então, melhor ainda! No final dessas férias, aproveitei pra conhecer a capital de nuestros hermanos e rivais no futebol: Buenos Aires. Maravilhosa cidade, magnífica viagem! Quem conhece sabe que se trata de uma verdadeira imersão cultural. Quem não conhece, vai se surpreender com a forma como os argentinos recebem os brasileiros. Esqueça aquela imagem do senso comum de que argentino “se acha o rei do alfajor negro”. Sim, os caras gostam da gente! E sabem muito bem valorizar o seu patrimônio cultural e histórico, coisa que precisamos aprender com eles. Bons exemplos estão aí para serem seguidos.

 

VELHO CINEMA QUE VIROU COMÉRCIO

Buenos Aires também tem a triste história de um cinema que virou ponto comercial. Aliás, antes de ser cinema, o prédio histórico em questão, no elegante Bairro da Recoleta, havia sido um teatro entre os anos de 1919 a 1926. A “pequena diferença” entre a nossa história e a deles, é que a deles acabou não sendo assim tão triste. Primeiro porque o antigo cinema não virou uma loja de cama, mesa e banho, mas se transformou numa livraria chamada El Ateneo, cujos proprietários, ao adquirirem o imóvel, fizeram questão de preservar totalmente a arquitetura do local, não só sua fachada. Os camarotes, o palco, o teto pintado por um renomado artista italiano... Tudo ainda está lá, maravilhosamente preservado! O resultado? Segundo os entendidos do assunto, ela é considerada a segunda livraria mais bonita do mundo e, por isso, é visitada por turistas do mundo inteiro todos os anos. Enquanto isso, na nossa Bragança...

 

TRANSPORTE MUITO BARATO

O metrô de Buenos Aires é um dos mais antigos do mundo. Esse deve ser um dos motivos para eles conseguirem cobrar uma passagem tão barata, afinal, todo o investimento de infra-estrutura deve ter sido recuperado há tempos. Existem muitas linhas (bem mais do que São Paulo) e se paga apenas dois pesos e meio por viagem (com as devidas integrações, que eles chamam de conbinación). Com o câmbio oficial pro real, significa que estaríamos pagando menos de R$ 1,50. A metade do que se paga em São Paulo! Os ônibus são ainda mais baratos e os táxis custam quase um terço do que se paga por aqui. Uma viagem de trem para o município de Tigre (aquele que não votou do vestiário e fez um papelão contra o São Paulo, que nessa época ainda ganhava de alguém) custa cerca de R$ 2,50. Isso porque a Argentina passa por um período econômico meio complicado, com inflação considerável.

 

ELES ADORAM O PAPA

Os argentinos morrem de orgulho e amores pelo Papa Francisco. Mas não pensem que é só pelo “prestígio” de ter a maior autoridade da Igreja Católica como seu conterrâneo. O povo diz que enquanto cardeal, ele sempre teve uma postura política muito combativa em relação às patacoadas do governo. Sem contar que todos são unânimes ao confirmar toda a simplicidade que Jorge Mario Bergoglio vem demonstrando como Papa Francisco. A Argentina acompanhou ao vivo até a vigília do Papa no Brasil. Que seus exemplos entrem pra história! Amém.

 

MENOS VEREADORES

Falando em bons exemplos, li na coluna do grande Sérgio “Sadan” Salomão que o prefeito de Atibaia quer reduzir o número de vereadores de dezessete para nove. Do lado de cá, me lembro bem das opiniões dos “entusiastas” da volta dos dezenove à Casa de Leis da Terra da Linguiça. “Teremos mais representatividade”, eles diziam. Balela. Tá, o mandato só começou, mas a cada sessão vejo que até agora, essa se mostra uma das câmaras menos produtivas de todos os tempos. A última sessão foi só mais um exemplo, com a aprovação de três projetos de lei, dois deles relativos a nomes de bens públicos.

 

SUBIU O IDHM DA TERRA DA LINGUIÇA

Estamos melhores do que Atibaia e Extrema. Ao menos segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, que calcula o IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal). De acordo com tal índice, as três cidades estão classificadas como de “alto desenvolvimento humano”, inclusive com notas expressivas na educação, renda e longevidade. Não sei, não... Acho que fizeram a pesquisa no Rosário de Fátima e no Jardim das Palmeiras.

 

RENUNCIOU PRA NÃO ROUBAR

Um prefeito renunciou ao seu mandato recém empossado na cidade de Paranapanema (interior de SP) alegando ter descoberto que o salário era muito baixo. Como assim descobriu?! Ele não sabia que qual seria o salário antes de assumir? De qualquer forma, a notícia foi recebida como um exemplo de honestidade por parte do médico que alegou que os R$ 5.800 que estava recebendo como prefeito correspondia a 20% do que ganhava na sua profissão. Nas palavras do próprio: “tinha dois caminhos a seguir: ou voltava a trabalhar e ganhava meu dinheiro honestamente, ou tirava da Prefeitura”. Então quer dizer que como prefeito, ele não estava trabalhando? O que pensar disso tudo? Mais uma prova de como é “esquisito” investir mais de um milhão de reais em uma campanha pra prefeito numa cidade do interior.

 

BADERNA CULTURAL CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA

Tanto a atual Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, quanto o Conselho Municipal de Cultura, podem entrar pra história ao realizarem a 1ª Conferência Municipal de Cultura. O motivo é a adesão de Bragança ao Sistema Nacional de Cultura, mas o principal objetivo é elaboração de um Plano Municipal de Cultura, que deverá nortear as políticas públicas culturais da cidade para os próximos anos. A ideia é que tal plano seja elaborado a partir das discussões e debates entre agentes culturais, artistas e demais membros da sociedade interessados no desenvolvimento cultural de nossa terra. Participe! No Napa, dias 9 e 10 de agosto, a partir das 18h do dia 9.

 

PRA FINALIZAR

“Um jovem que não protesta não me agrada. Porque o jovem tem a ilusão da utopia, e a utopia não é sempre negativa. A utopia é respirar e olhar adiante” (Papa Francisco)

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player