O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

CEI da ABBC colhe depoimento de presidente da entidade

Matéria publicada na edição de 16 de junho de 2018

 

Na tarde de segunda-feira, 11, os membros da CEI (Comissão Especial de Investigação) da ABBC (Associação Brasileira de Beneficência Comunitária) colheram o depoimento de Jerônimo Martins de Souza, diretor-presidente da OS (organização social).

Um dos motivos da abertura da comissão é a dívida de R$ 8 milhões que a ABBC cobrou da atual Administração, logo no início do mandato, e que seria referente a serviços prestados na gestão anterior. Jerônimo afirmou que a dívida existe, explicou questões da “quarteirização” de serviços e colocou-se à disposição para apresentar documentos que comprovem a boa gestão da OS no período em que atuou no município.

Como primeiro questionamento, Sidiney Guedes perguntou sobre a realização de serviços realizados fora do objeto de contrato. Assim como a diretora operacional da ABBC, Iolanda Vieira de Souza, Jerônimo afirmou que a OS realizou serviços dessa natureza pensando no bem-estar dos usuários. “Quando fazemos a gestão de Saúde a fazemos com plenitude, olhamos o lado do município. Quando está faltando algum tipo de procedimento que não conste no contrato, pelo lado saúde eu não posso deixar de cumprir. Se falta um tipo de medicamento ou instrumento que possa levar alguém a óbito, nós primamos pela vida”, afirmou Souza.

A respeito da “quarteirização” de serviços, ou seja, a OS contratar outras empresas para prestar serviços do contrato, o diretor explicou “trazemos a quarteirização por causa da especialização. Tenho funcionários fins e funcionários meio. Profissionais de saúde como enfermeiros, médicos, auxiliares de enfermagem e outros já vêm com sua especialidade na mão. Os demais eu preciso ter pessoas especializadas. Se contrato uma pessoa pra fazer limpeza dentro da UPA e ela não é especializada, se não tiver treinamento adequado, acompanhamento firme, ela pega infecção e vai levando de um lado para outro. A quarteirização é feita por várias OS”, disse.

O presidente da CEI, vereador Cláudio Moreno novamente quis saber detalhes da fiscalização do Executivo em relação aos serviços e contas prestadas. “No contrato, estava prevista a fiscalização da própria Prefeitura por meio de uma comissão. Se acontecesse algo, eles deveriam glosar, por consequência, seríamos chamados para poder nos defender”, disse o presidente da ABBC. Cláudio então solicitou que ele reunisse documentação sobre todas as cobranças e indicações feitas pelo Executivo para se convencer de que realmente a fiscalização existiu.

“Gostaria de saber quantas vezes sua diretoria conversou com o gabinete do prefeito nesse sentido de fiscalização. Pessoas que vieram aqui falar conosco na CEI nem conheciam direito o contrato. Precisamos nos convencer de que houve fiscalização efetiva. Um dos principais motivos dessa investigação é descobrir se a Prefeitura fez a parte dela, fiscalizou o serviço. A OS apenas executa contrato, o gestor da Saúde é o prefeito”, afirmou Cláudio Moreno. Jerônimo se comprometeu a reunir a documentação e enviar para análise dos vereadores em até 12 dias.

O diretor-presidente da OS deixou claro que o objetivo  é cooperar integralmente para a realização da CEI, colocando-se à disposição também para atender a auditoria externa, caso contratada. “No caso de auditoria, eles vão entrar em contato com a gente, pedir a documentação necessária, traremos para eles aquilo que for necessário. Sei que é muito importante acontecer isso, até para minha entidade sair daqui fortalecida. No momento em que eu provar pra vocês que fizemos tudo certo, minha medalha será colocada no meu pescoço. Minha entidade poderá falar que participamos de uma comissão de investigação e ela estava em ordem, isso para mim é muito importante, tudo o que precisarem, estamos à disposição”, disse Jerônimo.

Para a próxima sessão, os vereadores realizarão uma reunião de trabalho, sem oitivas. Com apoio da diretoria financeira e jurídica da Câmara Municipal, serão avaliadas as medidas para a contratação do serviço de auditoria externa para analisar as contas dos contratos geridos pela ABBC no município.

Composta pelo vereador Cláudio Moreno (presidente), Sidiney Guedes (relator), Antônio Bugalu, João Carlos Carvalho e Rita Leme, a comissão se reúne na próxima segunda-feira, 18, a partir das 14h, no Auditório José Nantala Bádue. Os interessados podem acompanhar os trabalhos presencialmente ou pela internet, por meio do site da Câmara: www.camarabp.sp.gov.br.

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player