O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Secretaria Municipal de Saúde presta contas à Câmara sobre ações de 2017

Matéria publicada na edição de 3 de março de 2018

 

A secretária municipal de Saúde, Marina de Fátima de Oliveira, esteve na Câmara Municipal, na última quarta-feira, 28, acompanhada de servidores da pasta e conselheiros municipais, apresentando a prestação de contas dos valores investidos e do atendimento realizado pela rede municipal em 2017. Ela participou da reunião da Comissão de Educação e Cultura, Esporte, Saúde, Saneamento e Assistência Social.

Na ocasião, Marina contou que a arrecadação do município em 2017 foi de R$ 473.349. 948,82. Na Saúde, a Administração investiu R$ 123.108. 929,42 no período, sendo o Orçamento composto por 87% de repasses do governo federal, 9% do Tesouro Municipal, 2% de repasses do governo do estado de São Paulo e 2% de aplicações financeiras.

A secretária demonstrou gastos com pessoal, insumos, assistência farmacêutica, atenção básica, alta e média complexidade e vigilância em saúde. O balanço apresentado revelou o gasto de 60% dos recursos em alta e média complexidade, 30% em atenção básica, 5% para vigilância em saúde, 1% para investimentos, 2% em assistência farmacêutica e 2% em aplicações financeiras.

Na oportunidade, Marina também falou sobre ações que vem sendo realizadas, como os arrastões para a captura de escorpiões no Cemitério Municipal e pediu apoio da população no descarte de resíduos e atenção com reservatórios de água, que facilitam a proliferação de animais peçonhentos e servem de criadouros para mosquitos transmissores de dengue, vírus Zika e chikungunya.

A secretária ainda respondeu a questionamentos dos vereadores sobre demandas diversas, como a promoção de campanhas de conscientização para a prevenção de crimes de violência sexual, atenção diferenciada a pacientes lúpicos e renovação da frota de transporte sanitário. Falou, também, sobre o atendimento para pacientes de saúde mental.  “Os pacientes não podem mais ser hospitalizados, e o estado não provém leitos para internação. A implantação de um CAPS 24 horas (Centro de Atenção Psicossocial) é uma necessidade urgente da cidade”, considerou.

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player