O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Jesus está na fila para ver Papai Noel

Por Ana Raquel Fernandes

Não há clima de Natal que quebre o gelo de alguns corações mais teimosos, tanto, que há pessoas que chegam mesmo a pensar que o menino Jesus, razão e sentido do Natal se oporia à imagem do bom velhinho...

Ah, por favor... A criança esperta e alegre que o Salvador costumava ser jamais conseguiria permanecer sisuda diante da graça e dos encantos da figura de roupas vermelhas e saco cheio de presentes.

O menino Jesus, vivesse em nossos dias, estaria agora na fila para ver Papai Noel. Sim, paciente, submisso, segurando a mão de um coleguinha, que por sua vez, estaria ansioso demais.

Porque de onde pode brotar alguma esperança, é ali que Ele está. Entendam isso, meus queridos.

O Cristo que veio a esse mundo, veio para trazer esperança, e uma esperança repleta de alegria. Ele é a Vida, é o Próprio Deus conosco. Onde está a alegria, ali está Ele, porque Seu Pai não é um Deus de pesar.

E digo mais, não há espaço para qualquer espécie de concorrência entre o Deus encarnado menino e a figura ilustrativa de Noel. Portanto, não há porque haver rixas.

Ele, que é o mais maravilhoso presente que poderíamos receber, nós que nada merecemos, estaria sim agora na fila para ver Papai Noel. A graça de Deus manifesta em carne, ossos e alegria devia ser um menino adorável, curioso e prestativo, uma mistura incrivelmente bela daquilo que de mais humano e mais divino pudesse haver.

E eu chego mesmo a imaginá-lo assim, criança, cheio de energia e vivacidade, o Menino-Deus correndo, brincando, gargalhando, e mesmo a leveza dessa cena não me deixa esquecer que se trata daquele, que mais tarde, morreria num madeiro.

O Jesus menino seria um amigo que eu gostaria de ter, assim como o Jesus adulto, vivo e presente como se faz a mim hoje em dia, é o mais querido amigo que tenho.

E sim, ele está ainda hoje ao meu lado, quando a Aninha que vive em mim, enfrenta a fila para ver Papai Noel. Estamos eu e ele de mãos dadas, como sempre o fazemos, e a alegria de estarmos assim é o que nos move, passo a passo, lentamente, para mais perto do bom velhinho.

Cristo é quem pacientemente também nos conduz ao encontro daquele que nos amou primeiro.

A razão e essência do Natal estão na fila para ver Papai Noel. Vai dizer que você nunca reparou em sua presença forte e doce, enquanto acompanhava seu filho na fila?

Ele é quem nos segura pela mão, crianças inseguras e dependentes que ainda somos. Ele é a alegria mais legítima que pode haver, qualquer que seja a época. Ele é!

Ana Raquel Fernandes é Professora de Língua Portuguesa, subversiva. Críticas e sugestões: sub-ver-siva@hotmail.com

 

 

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player