O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Falando em Festa do Peão...

Falando em Festa do Peão – Primeiro, quero parabenizar novamente pela estrutura, organização e a grade de shows. Realmente uma festa digna das grandes realizadas no Brasil. O evento continua sendo um cartão de visita de Bragança Paulista.

 

Porém... – Já comentei aqui, na semana passada, o absurdo dos preços cobrados na praça de alimentação. Sem fiscalização nenhuma e muito menos atuação da vigilância sanitária. Outro fator gravíssimo está sendo o “ágio” cobrado nos camarotes, pois, logo no início, quando abriram a venda dos compartimentos, um pequeno grupo de pessoas comprou quase todos (que já eram caros, R$ 4.000,00). E, no meio da festa, picaram esses mesmos camarotes e venderam a preços absurdos, chegando, no último sábado, a vender por R$ 250,00 por pessoa, ou seja, um aumento de 500%. Isso, sim, é ser cambista profissional e autorizado, hein?!

 

Falando em Cambistas – Já os famosos cambistas amadores que rodeiam a festa todas as noites chegaram, em alguns dias, a vender ingressos no mesmo valor, ou até menor, que o da portaria.

 

Falando nisso – A Festa do Peão já foi mais popular... Mas e quando o povo não aproveita essa festa como deveria aproveitar, quem aproveita, hein? Vejam bem: entrada – R$ 40,00; lanche de calabresa – R$ 12,00; estacionamento no meio do barro – R$ 15,00; camarote – R$ 4.000,00, ingressos com ágio! Camarote para duas pessoas no  sábado – R$ 500,00; Camarote VIP (São Gabriel no ágio), no sábado, R$ 800,00, para duas pessoas. Cadê o popular?

 

Sendo assim – Fica muito mais barato assistir a qualquer um desses shows em uma casa de espetáculos por R$ 80,00 com muito mais conforto e segurança.

 

Falando em Copa do Mundo – Faltam dois anos, 12 estádios, uma seleção, um técnico, 30 hotéis, 14 aeroportos, 120.000 kms de rodovias, 2.000 kms de metrô, seis trens-bala, 115 favelas pacificadas, 33.000 soldados preparados, 2.000 restaurantes e 150.000 motoristas de táxi falando inglês. Sejamos otimistas, mas nem tanto...

 

Falando em Corrupção – A corrupção poderá ser enquadrada como crime hediondo... Nada mais justo pelos males que provoca à sociedade. O Projeto de Lei 3.238/12, apresentado pelo deputado Fernando Francischini, visa a incluir a corrupção no rol dos crimes hediondos. O deputado acredita que a medida vai desestimular a prática desse crime, além de fornecer mais elementos para a responsabilização dos culpados. Os crimes hediondos são aqueles que possuem extremo potencial ofensivo. Esses crimes não podem ser objeto de anistia ou fiança. Além disso, as penas atribuídas a quem os pratica devem ser cumpridas inicialmente em regime fechado. O bicho vai pegar, hein?! Se deixarem, é claro!

 

Falando em Ficha Limpa O Conselho Nacional de Justiça está avaliando e debatendo uma inusitada proposta, que sugere que seja editada resolução impondo a aplicação da Ficha Limpa também no Judiciário. De acordo com o texto, pessoas condenadas por órgãos judiciais colegiados ficariam impedidas de exercer cargos de confiança ou funções comissionadas em todas as repartições do Poder Judiciário. O que torna inusitada a resolução não é o seu conteúdo, mas a sua necessidade. A lógica e o bom senso indicam que não fica bem ao Judiciário contratar pessoas condenadas pelo próprio Judiciário. O que espanta é que seja necessário editar uma resolução estabelecendo o óbvio. Pergunta: atualmente, quantos sentenciados estariam ocupando cargos de confiança e funções comissionadas nas varas e nos tribunais?

 

É OURO! Falando em Cinema – Uma luz no fim do túnel acende para a nossa cidade... Já que a Prefeitura não conseguiu manter e nem construir um novo cinema em Bragança, uma atitude bem legal me parece que está sendo tomada pela empresa que comprou o prédio do antigo Cine Bragança. O Magazine Torra Torra, que é o novo proprietário, se comprometeu a inaugurar uma loja na parte debaixo e ativar duas salas de cinema na parte de cima! Aí, sim, hein?! Parabéns!

 

É LATA! Falando em Transporte Público – A empresa responsável pelo transporte coletivo de nossa cidade (Nossa Senhora de Fátima) está em falta com a população... Dos vários e-mails que tenho recebido, um deles me chamou a atenção. Um ônibus da linha 23, na sexta-feira, 23, atrasou quase uma hora e quando o cidadão ligou para a empresa, foi informado que a linha estava atrasada, mas viria logo outro ônibus em seguida. Uma hora depois e nada, ligou novamente e recebeu a informação de que o carro estava quebrado e que a empresa não colocaria outro na linha para substituí-lo. Assim, duas horas depois e nada de ônibus chegar, o cidadão foi embora sem poder usufruir do que lhe é direito e que é pago, por sinal, muito bem pago! Isso, sim, como diria Boris Casoy, é uma vergonha!

 

Falando nisso – Até quando uma empresa que cobra muito e atende pouco pode continuar trabalhando sem a devida fiscalização, que cabe à Prefeitura realizar? O fato é que a empresa nada de braçadas, pois sabe que não há fiscalização e, assim, quem acaba sendo o único prejudicado é o pobre e sofrido cidadão bragantino que depende de ônibus para se locomover. E assim vai indo...

 

Frase “Deus não deu asa à cobra, aí veio o ser humano e deu microfone ao cantor de funk”.

 

Piada – Mulher que lê...

Um casal sai de férias para um hotel-fazenda. O homem gosta de pescar e a mulher gosta de ler.

Numa manhã, o marido volta de horas pescando e resolve tirar uma soneca. Apesar de não conhecer bem o lago, a mulher decide pegar o barco do marido e ler no lago. Ela navega um pouco, ancora e continua lendo seu livro. Chega um tenente da guarda ambiental do parque, em seu barco, para ao lado da mulher e fala:

— Bom dia, madame. O que está fazendo?

— Lendo um livro — responde (pensando: será que não, é óbvio?).

— A senhora está em uma área restrita em que a pesca é proibida — informa.

— Sinto muito, tenente, mas não estou pescando, estou lendo.

— Sim, mas a senhora tem todo o equipamento de pesca. Pelo que sei, a senhora pode começar a qualquer momento. Se não sair daí imediatamente, terei de multá-la e processá-la.

— Se o senhor fizer isso, terei que acusá-lo de assédio sexual.

— Mas eu nem sequer a toquei! — diz o tenente da guarda ambiental.

— É verdade, mas o senhor tem todo o equipamento. Pelo que sei, pode começar a qualquer momento!

— Tenha um bom dia, madame — diz ele e vai embora.

Moral da história:

Nunca discuta com uma mulher que lê, pois, certamente, ela pensa!

 

Até a semana que vem!

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player