O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Daniel Dias participa de painel sobre controle de dopagem em Brasília

Matéria publicada na edição de 4 de julho de 2017

 

O nadador multimedalhista paraolímpico e cidadão bragantino, Daniel Dias, participou, no último dia 28, em Brasília, do Encontro das Faculdades de Educação Física do Brasil.

O evento foi organizado pela Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), em parceria com o Ministério do Esporte, e reuniu professores e coordenadores do curso, autoridades de controle de dopagem, além de atletas e ex-atletas.

Daniel teve participação no painel “Dopagem: um mal ao esporte”, que também contou com a presença do judoca, Luciano Corrêa, da ex-ginasta, Luísa Parente, e da ex-jogadora de handebol, Lucila da Silva. Os quatro defenderam a importância do jogo limpo no esporte desde a base até o alto rendimento.

Para o nadador brasileiro, maior medalhista paraolímpico do país, o atleta de alto rendimento precisa ser visto como um bom exemplo para a sociedade. “Nunca tive medo de testes (antidoping) porque nunca usei nada. Tenho a consciência tranquila. Em uma competição, preciso ser ético comigo mesmo e com meus adversários, e o melhor vencerá. Então, eu espero que me vejam com a medalha e tenham a certeza que eu venci porque me esforcei, e não porque fiz uso de alguma substância irregular”, observou.

A opinião do nadador ganhou apoio do judoca Luciano Corrêa, medalhista em mundiais e em Jogos Pan-Americanos. “Não podemos ter como exemplo o atleta que foi punido. Acredito que o arrependimento desses esportistas que optaram pelo doping é o que realmente mostra o quanto é ruim para ele, para o esporte e para a saúde dele também”, acrescentou.

Com o volume de informações disponíveis hoje, tanto pela autoridade de controle de dopagem quanto pelas próprias confederações, o uso de substâncias ilegais tende a ser punido com maior rigor. “Hoje temos informações em vários lugares: na confederação, na ABCD, tem até aplicativo, então acredito que o atleta que opta por esse caminho, faz isso porque quer e com conhecimento dos riscos à imagem dele como esportista e também à saúde”, opinou Daniel Dias.

 

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player