O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Representante da União Bragantina convida população a se manifestar contra reformas do governo federal

Matéria publicada na edição de 20 de abril de 2017

 

A União Bragantina em Defesa dos Direitos dos Trabalhadores, formada pelo Sindicato dos Metalúrgicos, Sindicato dos Bancários, Sindicato dos Papeleiros, Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do estado de São Paulo), Sismub (Sindicato dos Servidores e Trabalhadores Municipais de Bragança Paulista e Região), Acohab (Associação Comunitária de Habitação Popular de Braganca Paulista, Frente de Esquerda de Bragança Paulista e Coletivo Feminista Rosa Não Cala, terá seu lançamento oficial nesta quinta-feira, 20, a partir das 19h, na Câmara Municipal.

A informação foi anunciada por Bruno Leme, representante da organização, durante a sessão ordinária do Legislativo bragantino, nessa terça-feira, 18.

Bruno explicou que a reunião dos sindicatos e demais organizações da cidade tem o objetivo de unir esforços contra as reformas que o governo federal está propondo, como a Reforma da Previdência e a Reforma Trabalhista. Ele defendeu que a população deve se manifestar contra tais propostas, pois, se aprovadas, elas vão interferir no futuro dos trabalhadores.

Uma das mudanças que ocorrerá se as reformas forem aprovadas é o fim do direito à greve, apontou Bruno, acrescentando que a mão de obra brasileira será explorada. “O governo mente quando diz que a Previdência é deficitária”, declarou o representante da União Bragantina, que propôs uma Reforma Tributária.

Bruno ainda apontou que dentre os maiores devedores do governo federal estão sete bancos, dois deles, bancos públicos. Ele também criticou outras ações do governo federal, como cortes em verbas dos programas Fies e Prouni e a Reforma do Ensino Médio.

Bruno encerrou sua participação citando um trecho da música “Fábrica”, de Legião Urbana: “Nosso dia vai chegar/ Teremos nossa vez/ Não é pedir demais/ Quero justiça/ Quero trabalhar em paz/ Não é muito o que lhe peço/ Eu quero um trabalho honesto/ Em vez de escravidão/ Deve haver algum lugar/ Onde o mais forte/ Não consegue escravizar/ Quem não tem chance”.

“Nenhum direito a menos!”, encerrou Bruno, que foi cumprimentado pelo vereador Mário B. Silva.

Mário parabenizou a iniciativa das entidades e defendeu que essa é uma luta de todos os trabalhadores para não deixar que os direitos trabalhistas sejam jogados no lixo.

O vereador Antônio Bugalu, que apresentou Bruno, disse que está feliz porque esta é a primeira vez que os sindicatos da cidade se unem em prol de uma causa comum. “Não vamos deixar este presidente rasgar a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas)”, enfatizou.

No dia 28 de abril, sexta-feira da semana que vem, o país todo viverá um momento de greve geral. Haverá manifestações em todas as capitais brasileiras e em vários municípios.

Em Bragança Paulista, a manifestação estará concentrada na Praça Raul Leme, a partir das 10h.

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player