Câmara promove troca de experiências sobre atendimento à população de rua

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Câmara promove troca de experiências sobre atendimento à população de rua

Evento proporcionou troca experiências e apresentação dos serviços prestados a esse público no município

 

Na tarde de quinta-feira, 30, a Comissão de Educação e Cultura, Esporte, Saúde, Saneamento e Assistência Social da Câmara Municipal de Bragança Paulista realizou o 1º Fórum sobre População de Rua: Política de Atendimento e Desafios.

A iniciativa reuniu especialistas da área, vereadores e populares, que debateram o tema em busca de melhorias para lidar com a questão dos moradores de rua em Bragança Paulista.

De acordo com a assessoria de comunicação do Legislativo, marcaram presença no fórum os membros da Comissão de Educação, vereadores Valdo Rodrigues, Fabiana Alessandri, Natanael Ananias e Juzemildo Albino da Silva, além do prefeito Fernão Dias da Silva Leme, a vice-prefeita e secretária de Educação, Huguette Theodoro da Silva, o bispo diocesano, Dom Sérgio Colombo, a presidente do Fundo Social de Solidariedade, Rosângela Leme, o secretário de Ação e Desenvolvimento Social, Marcos Roberto dos Santos, a secretária de Saúde, Grazielle Cristina dos Santos Bertolini e a secretária de Segurança, Trânsito e Defesa Civil, Rosana Vendramini Tirotti. Os vereadores Jorge Luís Martin, José Gabriel Cintra Gonçalves, Paulo Mário Arruda de Vasconcellos, Rafael de Oliveira e Rita Valle também prestigiaram o evento.

O prefeito Fernão Dias da Silva Leme parabenizou a Comissão por levantar o debate. “Parabéns mil vezes pela iniciativa. Hoje é um dia especial, um dia em que um dos grandes vai falar sobre esse problema que aflige todo o mundo. Devemos ouvir com atenção”, disse o prefeito referindo-se a presença do padre Júlio Lancellotti, que iniciou os debates.

Padre Júlio é reconhecido como um dos grandes ativistas da causa da população de rua, atuando diretamente com eles como vigário episcopal do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo. Suas palavras remeteram a forma e, principalmente, ao cuidado mais humanizado ao tratar dessas pessoas. “Temos que fazer com que eles percebam que são importantes para nós. Que o amor que temos por eles é baseado na gratuidade, não no pragmatismo”, lembrou. “É preciso rever as estruturas de nossos trabalhos. Precisamos ouvir os questionamentos que eles nos fazem. É preciso que nosso trabalho atue de forma mais horizontal e menos vertical”, defendeu.

Na sequência, Valdomina Ribeiro Moreira de Souza, representando o Centro Pop de Bragança Paulista, apresentou as atividades desenvolvidas pelo equipamento e o número de atendimentos realizados nesse primeiro semestre: 805 pessoas e 2.101 atendimentos.

Complementando a troca de experiências de trabalhos e políticas públicas, a coordenadora de Proteção Social Especial da Prefeitura de São Paulo, Isabel Cristina Bueno da Silva, e o coordenador estadual do Movimento População de Rua, Darcy da Silva Costa, partilharam a experiência deles na Capital.

Para a mesa de debates, outras autoridades e representantes de entidades envolvidas no trabalho com a população em situação de rua também puderam se manifestar. Participaram deste momento o vice-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Bragança Paulista, Rodrigo de Salles Siqueira; a representante da Reitoria da USF (Universidade São Francisco), Renata Bernardo; o representante do 34º Batalhão da Polícia Militar, Capitão Hélton Arauto Demétrio; o representante da Delegacia Seccional de Bragança; Lauro de Almeida; o chefe da Divisão de Segurança; Glauco Cruz; pela Igreja Missionária do Brasil, Darly Machado; pela Casa Fraternidade de Assis; frei Reinaldo Leite; pela Apsibrap (Associação dos Psicólogos de Bragança Paulista), Nadir Ramos; os secretários municipais de Ação e Desenvolvimento Social, Marcos Roberto, de Saúde, Grazielle Bertolini e de Segurança, Trânsito e Defesa Civil, Rosana Vendramini, além dos demais que já haviam se manifestado. A população também fez uso da palavra, contribuindo com a partilha de experiências e opiniões.

Para o presidente da Comissão, vereador Valdo Rodrigues, o fórum deu a oportunidade de abrir espaço para discutir o tema de forma construtiva. “Foi muito oportuno esse debate. Agradeço a todos que participaram desta tarde, dentro de todas essas lições de vida que tivemos, cada um de nós vai sair daqui com uma semente para continuar esse trabalho”, finalizou.

 

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player