O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Sexta se encerra a Convocatória para instalação na Fazenda Serrinha

No terceiro ano da OCUPAÇÃO SERRINHA – Convocatória para ocupações temporárias, o Festival Arte Serrinha propõe o tema “Encontro das águas – Serrinha Tapajós”, em apoio à luta do povo mundukuru e de diversas populações ribeirinhas contra a construção de usinas hidrelétricas no rio Tapajós. Mande seu projeto para: hdoisr@gmail.com

O festival disponibilizará espaços ao ar livre da Fazenda Serrinha para a instalação da obra selecionada. A Convocatória é um mecanismo que possibilita a participação de todos no festival, estimulando o exercício da arte.

REGULAMENTO

1. OBJETIVO

1.1 A presente Convocatória tem por objetivo selecionar um projeto para ocupação temporária (durante o Festival Arte Serrinha 2016) da Fazenda Serrinha. As propostas devem contemplar o tema “Encontro das águas – Serrinha/Tapajós”.

1.2 O Festival Arte Serrinha receberá apenas projetos já inteiramente desenvolvidos e produzidos, não arcando com custos referentes à pesquisa, produção, transporte e montagem.

1.3 Estão habilitados a participar desta Convocatória artistas nacionais e internacionais. Cada participante poderá inscrever apenas um projeto.

1.4 O proponente terá ampla liberdade quanto à linguagem e formato desenvolvidos em seu projeto.

1.5 O proponente deverá inscrever o projeto considerando que será apresentado no meio da natureza ao ar livre.

1.6 Todas as ações propostas e produtos gerados nesta Convocatória deverão ser oferecidos gratuitamente ao público.

2. TEMA

A organização propõe o encontro do tema do festival, Uma só tribo, com a questão do rio Tapajós e do povo munduruku. Em apoio ao projeto desenvolvido pelo Greenpeace: Tapajós: a luta pelo coração da Amazônia lançamos a Convocatória com o tema: Encontro das águas – Serrinha Tapajós.

2.1 Questão Tapajós

O governo brasileiro planeja construir um complexo de cinco usinas hidrelétricas no rio Tapajós, no Pará. Se construída, a primeira delas, São Luiz do Tapajós, terá 7,6 km de comprimento e seu reservatório ocupará uma área do tamanho da cidade de Nova York (729 km2), alagando uma área de 376 km2. O projeto ameaça barrar um dos últimos grandes rios a correr livremente no coração da Amazônia. A região do Tapajós abriga uma biodiversidade incomparável até mesmo para padrões amazônicos, com diversas espécies endêmicas (que só ocorrem ali) e a descoberta de novas espécies, ainda não catalogadas pela ciência. Ali também é o lar do povo indígena Munduruku, que habita o local há gerações e depende da floresta e do rio para manter seu modo de vida tradicional. Impedir que esse rio continue correndo livre significa impedir que o coração da floresta continue a bater.

O processo de construção da hidrelétrica ainda está no estágio inicial. Por isso, estamos em um momento crítico para confrontar os poderosos interesses por trás da construção de São Luiz do Tapajós e propor soluções mais eficientes, seguras e responsáveis de geração de energia. Sendo assim, o Greenpeace lançou uma campanha global pelo Tapajós, que pretende mobilizar milhões de pessoas para salvar o coração da Amazônia. Não podemos permitir que o erro e a tragédia de Belo Monte se repitam.

O Brasil pode atender sua demanda de energia a partir de fontes mais eficientes e menos destrutivas. No relatório “Hidrelétricas na Amazônia: um mau negócio para o Brasil e para o mundo” mostramos que o país não precisa destruir seu maior patrimônio ambiental (a Amazônia) para iluminar a vida longe da floresta. A partir de um mix de solar, eólica e biomassa, o Brasil poderia gerar a mesma energia firme que a usina de São Luiz do Tapajós. Com a ajuda de toda a sociedade, incluindo você, queremos criar uma gigantesca mobilização pela Amazônia e seus rios livres, e pelo direito do povo Munduruku a sua terra. Não se trata de apenas uma barragem ou de apenas um rio. É a luta para proteger a maior floresta tropical do planeta, fundamental no combate às mudanças climáticas. Os efeitos de um planeta mais quente não respeitam fronteiras e serão sentidos por todos. Com a ajuda de toda a sociedade, incluindo você, podemos criar uma gigantesca mobilização pela proteção da Amazônia, seus rios e seus povos.

Para mais informações, acesse: www.arteserrinha.com.br/categoria/convocatoria-2016/

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player